ARTRITE REUMATÓIDE - RECOMENDAÇÕES DO EULAR NO DIAGNOSTICO POR IMAGEM.

Você esta em - Home / Artigos Médicos / ARTRITE REUMATÓIDE - RECOMENDAÇÕES DO EULAR NO DIAGNOSTICO POR IMAGEM.

O EULAR - European League Against Rheumatism - em 2013 publicou as recomendações para o diagnostico por imagem articular no manejo clínico da artrite reumatóide [1].

 

Estas recomendações estão relacionadas aos aspectos de imagem no diagnóstico, detecção do dano estrutural, avaliação da resposta ao tratamento e monitorização da atividade da doença.

 

A ressonância magnética e o ultrassom com Power Doppler são as principais ferramentas de imagem para detectar a inflamação subclínica, monitorar a atividade da doença, determinar a remissão e o prognóstico.

 

A artrite reumatóide (AR) é uma artrite inflamatória erosiva de causa desconhecida que acomete mais mulheres do que  homens e o Fator Reumatóide (FR) pode estar positivo em até 80% dos casos.

 

As ferramentas diagnósticas por imagem são as seguintes:

 

Raio-X simples (RX) - é um dos primeiros exames por imagem solicitado pelo reumatologista e pode detectar: Erosões ósseas, aumento de partes moles, osteopenia e redução do espaço articular. A primeira recomendação do EULAR diz que quando o diagnóstico for duvidoso pelo RX a Ressonância Magnética (RM) e o Ultrassom Doppler (USD) podem ser usados para aumentar a certeza do diagnóstico acima dos critérios clínicos isolados. (figura 1)

Ultrassonografia com Power Doppler (USD)- Exame rápido, inócuo e de baixo custo que pode detectar: Sinovite, tenossinovites, erosões ósseas (figura 2 e 3)

 

Ressonância Magnética (RM) - Sem dúvida é o melhor exame por imagem pra detectar as alterações da AR em especial a inicial subclínica por ser o único método capaz de visualizar o edema da medular óssea (figura 4) além de sinovite (figura 5 e 6), tenossinovite, erosões ósseas, lesão de cartilagem.

 

Definições do OMERACT -  Outcome Measures in Rheumatoid Arthritis Clinical Trials- para as principais alterações na AR:

 

  • Sinovite: Área no compartimento sinovial com realce de contraste cuja espessura excede a largura da membrana sinovial (figura 7 e 8). O USD tem grande sensibilidade para o derrame articular com proliferação sinovial e o Score Doppler é o seguinte: 0- ausência de vasos, 1- vasos únicos puntiformes, 2- Vasos múltiplos, puntiformes, parcialmente confluentes e 3- vasos confluentes cobrindo mais de metade da área da sinóvia (figura 9).

 

  • Edema da medular óssea: Lesão dentro do trabeculado ósseo com margens mal definidas e sinal compatível com conteúdo líquido (alto sinal T2) e podem ser vistos sozinhos ou em torno de uma erosão ou qualquer outra anormalidade (figura 10).

 

  • Erosão óssea: Lesão óssea marginal bem definida justa articular, com caracteristicas de sinal tipicas, visível em dois planos e perda da continuidade vista em pelo menos um plano [2,3]. Deve-se ter atenção especial com as pseudoerosões e suas localizações típicas são as seguintes: cabeça dos metacarpais, base do II metacarpo, face radial e ulnar do capitato, hamato, face proximal do piramidal [4,5]. 

 

Referências:

1- EULAR recommendations for the use of imaging of the joints in the clinical management of rheumatoid arthritis Alexandra N Colebatch,1,2 Christopher John Edwards,1 Mikkel Østergaard,3 Désirée van der Heijde,4 Peter V Balint,5 Maria-Antonietta DAgostino,6

Kristina Forslind,7,8 Walter Grassi,9 Espen A Haavardsholm,10 Glenn Haugeberg,11 Anne-Grethe Jurik,12 Robert BM Landewé,13 Esperanza Naredo,14 Philip J OConnor,15

Ben Ostendorf,16 Kristina Potočki,17 Wolfgang A Schmidt,18 Josef S Smolen,19 Sekib Sokolovic,20 Iain Watt,4 Philip G Conaghan21 Ann Rheum Dis 2013;72:804814. doi:10.1136/annrheumdis-2012-203158

2- The EULAR–OMERACT rheumatoid arthritis MRI reference image atlas: the wrist joint Ann Rheum Dis 2005;64(Suppl I):i23–i47. doi: 10.1136/ard.2004.031823

3- Døhn UM, Ejbjerg BJ, Court-Payen M, et al: Are bone erosions detected by magnetic resonance imaging and ultrasonography true erosions? A comparison with computed tomography in rheumatoid arthritis metacarpophalangeal joints. Arthritis Res Ther 2006;8:R11

4- Magnetic Resonance Imaging of Wrist and Finger Joints in Healthy Subjects Occasionally Shows Changes Resembling Erosions and Synovitis as Seen in Rheumatoid Arthritis

Bo Ejbjerg,1 Eva Narvestad,1 Egill Rostrup,1 Marcin Szkudlarek,1 Søren Jacobsen,2 Henrik S. Thomsen,3 and Mikkel Østergaard4

5-Pitfalls in scoring MR images of rheumatoid arthritis wrist

and metacarpophalangeal joints F McQueen, M Østergaard, C Peterfy, M Lassere, B Ejbjerg, P Bird, P O’Connor, H Genant R Shnier, P Emery, J Edmonds, P Conaghan Ann Rheum Dis 2005;64(Suppl I):i48–i55. doi: 10.11

 


Cadastre-se

Nome
E-mail




Desenvolvimento - Web simples brasil

As obras contidas neste site, incluindo todos os gráficos, textos, gravações sonoras e imagens são protegidas pelas leis de direitos autorais e é vedada a cópia, transmissão, exibição, execução sem sua expressa autorização antecipada.